Pra quem saiu de Pernambuco, Valparaíso é tipo uma Olinda. Muita ladeira, arte pelas ruas e mirantes com paisagens lindas. A cidade respira cultura, gastronomia e também é um prato cheio pra fotógrafos, já que tudo é muito colorido.

Pra ser bem sincera, achei que o caminho de ônibus pra chegar lá (cheio de paisagens montanhosas de tirar o fôlego) muito mais legal que Valparaíso em si. Acredito que a falta de paixão se deu pelo fato de ter sido um bate e volta. Não deu tempo de realmente sentir o que a cidade tinha pra oferecer e também não visitamos todos os pontos turísticos de lá.

Mesmo com alguns pontos negativos, ainda sim vale a visita. Isso porque Valparaíso carrega muita história e desde 2003 é Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO. Sem falar que a cidade é porta de entrada pra famosa Viña del Mar.

Indo pra Valparaíso de ônibus

Saímos do terminal Alameda na estação U. de Santiago num ônibus da Turbus às 7:30h da manhã sentido Valparaíso. Você consegue comprar as passagens na mesma estação por volta de 4.400 CLP ida e volta. Se for no final de semana, tente comprar as passagens com antecedência, pra não sair muito tarde de Santiago. Chegamos na cidade por volta das 9:10.

A experiência é bem tranquila. O ônibus é estilo leito, super confortável, tem banheiro e primeiro andar (quando for escolher os assentos, tenta pegar os da primeira fileira e aproveite a paisagem). A estrada é bem lisinha, parece um tapete e o motorista nunca passa dos 80km (dá pra verificar a velocidade através de um mostrador).

A rodoviária fica bem no centrão de Valparaíso e pra chegar até a parte histórica, com todos os cerros, basta você atravessar a feira de frutas em direção ao porto e chegando lá, seguir em frente até chegar na praça Sotomayor. Não tem erro! Por ser uma cidade turística, todo mundo é sempre muito solicito na hora de dar informações.

Aproveitando a cidade

Valparaíso é mega confuso de se localizar, até mesmo com mapa, então vá MUITO preparado. Nós fomos por conta própria, sem guia. Fizemos uma pesquisa rápida antes de ir e não foi suficiente.

Não cometa o mesmo erro que eu, se for sozinho, estude detalhes do lugar no Maps e se for com guia, só aproveite. Os Tours pra Valparaiso e Viña geralmente são feitos de carro e são muito caros, por isso optamos por ir na cara e na coragem e aproveitar um pouco melhor as ruas.

As caminhadas são bem cansativas, inclusive com o clima mais ameno. Vá com um tênis super confortável e leve, por motivos de MUITA SUBIDA. Alguns becos tem um ar meio pesado e você pensa que a qualquer momento alguém vai aparecer pra te roubar. Apenas síndrome de brasuca porque no geral é bem seguro.

Visitamos apenas o Cerro Concepción, por falta de tempo mesmo. Não queria chegar em Santiago muito tarde.

Por lá tem muitas opções de restaurantes, de todos os tipos que você imaginar. Nós preferimos dar uma economizada e fizemos um lanche mega reforçado na loja de conveniências de um posto por trás do supermercado Líder. Churrasco chileno de primeira. (nesse post falo mais sobre as comidas no Chile e como nos alimentamos por lá)

Viña del Mar

No posto de informações turísticas em Valparaíso, a funcionária nos aconselhou a pegar um micro ônibus no porto pra chegar até Viña (na avenida, em frente ao metrô), pois era mais rápido e barato. A passagem custa 600clp p/ pessoa.

Apesar do motorista dirigir como um louco e da gente ter ficado um pouco enjoado com as curvas, em menos de 15 minutinhos já estávamos lá.
Pra descer informamos ao cobrador que ficaríamos no “Relógio das Flores”, ponto turístico bem badalado de Viña (pense num lugarzinho complicado pra tirar foto, tem que ter paciência pois sempre está cheio de turistas. Eu não achei nada demais, mas ajoelhou tem que rezar,né?).

Curtimos a paisagem da praia um pouquinho e sentimos o gelado do oceano pacífico. Foi bem divertido apesar de não tem muito o que fazer por lá no inverno.

Na volta, já descemos próximo a rodoviária pra aguardar o ônibus até Santiago. Mais uma horinha de paisagens de tirar o fôlego na viagem de volta.

Fazer o bate e volta até Valparaíso foi bem interessante, mas se tivesse mais tempo, teria ficado lá uns dois dias, tem realmente muita coisa pra explorar. Haja condicionamento físico. Gostaria de ter tirado fotos durante o pôr do sol, pra aproveitar bem a golden hour da melhor forma com todas aquelas cores. Quando fomos, o sol estava bem forte apesar do clima frio e isso dificultou um pouco já que tudo fazia muita sombra. Então, aqui fica a dica.

Aqui tem o vlog da viagem com um pedacinho da nossa visita a Valpo e Viña.

Compartilhe no Pinterest!

Até o próximo post! ♥


Posted by:Agatha Chris

Por aqui escreve sobre as coisas que ama e tudo que há ao seu redor. Não vive sem sonhos, chocolate, cachorros, cinema, séries, música, fotografia e Netflix. Email: agavalenca@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *